Teoria da inspiração, 2022
de David Marques
espaço e luz Tiago Cadete


Inspiração. Julho, 1992 – no Teatro Virgínia, em Torres Novas, apresentava-se o espetáculo que marcava o fim do ano letivo da escola de dança onde tinha acabado de entrar. Sentado na plateia, com seis anos, não podia imaginar quanto aquela peça encheria os pulmões do meu trabalho coreográfico.

Expiração. Ao procurar a cassete VHS onde o tinha gravado, percebi que ela tinha desaparecido. Sem o registo vídeo, abria-se espaço para um exercício de rememoração e especulação.

Conspiração. Numa conversa recente com a professora de dança Helena Azevedo apercebi-me que Mulher Traço Variações tinha sido criado com o intuito de agradar ao público torrejano que, no ano anterior, teria abandonado a sala insatisfeito durante a apresentação das alunas. Para minha surpresa, o espetáculo-inspiração de 1992 aparecia-me agora, não como um projeto vanguardista, mas antes como um gesto de aproximação, obrigando-me a questionar a minha própria mitologia.

︎




Dança sem vergonha, 2020
de David Marques
espaço Tiago Cadete


'Nos últimos anos, tenho procurado formas de dançar e razões para dançar. Apercebi-me, enquanto dançava em casa, nos estúdios e em discotecas, de um prazer comum nestes contextos que me fazia continuar. Com poucas ou nenhumas testemunhas, esta dança paralela de prazer pareceu-me surgir entre um formalismo musical e uma expressividade emocional sem constrangimentos.
A minha 'dança sem vergonha' talvez exista apenas no teatro e só seja possível pelo cruzamento de vários espaços, tempos e motivações: o quarto que associo ao tempo da infância, a discoteca que associo ao tempo da adolescência e o estúdio que associo à idade adulta. Ao teatro associo o tempo do presente, durante uma performance, de ambos espetadores e intérpretes. Dançada por mim esta dança-sensação é imediata e refletida, simples e complexa, referencial e naif, abstrata e simbólica, séria e divertida, íntima e partilhada, técnica e despreparada.'

︎