Festim, 2012
de Tiago Cadete, Catarina Vieira e Solange Freitas
O Festim- do fim das coisas nada sabemos é sobre o fim, sendo que, o fim da festa é a metáfora para o fim dos tempos, anunciado há muito. Há os que acreditam, os que se revoltam, os que bebem mais um copo, mas todos inventam um passado e um futuro para si, já que o presente se situa no momento da consciência do fim, esse momento que é sempre uma passagem impossível de situar. Onde pusemos o ponto final? Onde nos puseram o ponto final?

︎